ANP avalia risco de desabastecimento de combustíveis pela Petrobras em virtude da greve dos petroleiros

ANP avalia risco de desabastecimento de combustíveis pela Petrobras em virtude da greve dos petroleiros

Diretor da ANP, Décio Oddone, demonstra preocupação que a cadeia produtiva da Petrobras seja afetada devido à greve dos petroleiros

Com mais de 20 mil trabalhadores da Petrobras em greve, movimento iniciado no dia 1º de fevereiro, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) já teme um possível efeito de desabastecimento de combustíveis no país. Essa preocupação foi revelada pelo diretor-geral, Décio Oddone, no último dia 11, em carta direcionada ao presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Você também pode conferir

No ofício, o representante da ANP ressalta que, mesmo que a Petrobras tenha conseguido limiar na justiça para contratar mão de obra operacional temporária, já prevendo vulnerabilidade de sua produção, “a situação foge da normalidade”.

De acordo com Oddone, as soluções adotadas pela estatal não podem ser consideradas de longo prazo, visto que “não há informações de negociação e indicativos do fim da greve”.

“Caso não haja uma composição breve toda a cadeia poderá ser afetada”, sinaliza o diretor da agência ANP, o que resultar em um impacto “na produção de derivados em função da redução de carga ou até mesmo pela parada total das refinarias”.

Segundo Oddone, a expansão da greve dos funcionários da Petrobras poderá afetar também o pagamento de impostos, como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que envolve governos federal e estadual, sob o valor cobrado pelos derivados de petróleo comercializados.

Greve dos Petroleiros da Petrobras

De acordo com informações da Federação Única dos Petroleiros (FUP), a greve já conta com a participação de mais de 20 mil trabalhadores, 108 unidades da Petrobras em 13 estados. A Petrobras, no entanto, afirma que a produção não foi afetada.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Kelly Angelim

Sobre Kelly Angelim

Engenheira de Petróleo especialista em Eficiência Energética e pós-graduada em Engenharia Civil; Possui experiência em atividades na indústria petrolífera onshore.