A Índia está sedenta pelo petróleo brasileiro e deseja maximizar importações

india petróleo vagas negocios

A Índia está variando sua demanda de petróleo e se mantém disposta a acordos com países como o Brasil, informa o Ministro Indiano Pradhan

O Ministro de Petróleo e Gás Natural da Índia, Dharmendre Pradhan, em reunião nesta quarta-feira (22) com o Ministro de Minas e Energia do Brasil, Bento Albuquerque, afirmou que a nação indiana está disposta para aumentar importações de petróleo brasileiro e o consumo de biocombustíveis. Veja também novo recorde histórico de produção de petróleo no Brasil bateu 1 bilhão de barris em 2019.

Você também pode conferir

A negociação deve ser formalizada no próximo sábado (25) entre as partes envolvidas. De acordo a agência Reuters, o acordo passa pela assinatura de contratos anuais com a petroleira estatal Indian Oil Corp (IOC).

“A Índia está diversificando seu suprimento de petróleo e nossas companhias expressaram interesse em obter mais petróleo do Brasil, se forem oferecidos termos comerciais favoráveis”, informou Pradhan.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, embarcou nesta quinta-feira (23) para a nação indiana, que representa a terceira maior consumidora mundial de petróleo, sendo, majoritariamente, do Oriente Médio.

“Discutimos a colaboração de nossos esforços no campo dos biocombustíveis. Nosso objetivo é atingir 20% de etanol na gasolina e 5% de capacidade de mistura de biodiesel até 2030. A esse respeito, expressei o interesse da Índia em trabalhar com o Brasil no campo da bioenergia”, explicou o ministro da Índia

Sobre possíveis negociações do Brasil com a Arábia Saudita e OPEP

O Ministério de Minas e Energia divulgou, em nota, que o ministro Bento Albuquerque, ao ser questionado pela Reuters, afirmou ter “intenção de atender a reunião de ministros de energia do G20 e que conversaria com autoridades sauditas sobre a pauta energética bilateral e poderia, inclusive, tratar sobre eventual cooperação entre o Brasil e a OPEP”.

Além disso, o ministro Bento também indicou ter “intenção de viajar a trabalho a Riade” para negociações em sua agenda no exterior.

A Nota do MME pode ser conferida na íntegra clicando neste link aqui.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Kelly Angelim

Sobre Kelly Angelim

Engenheira de Petróleo especialista em Eficiência Energética e pós-graduada em Engenharia Civil; Possui experiência em atividades na indústria petrolífera onshore.